Saúde

Pesquisa americana aponta melhor material de EPI contra a covid-19

Compartilhe essa postagem com outras pessoas...

Após nove meses de pandemia, mais de 6 milhões de casos da Covid-19 e quase 173 mil mortes causadas pelo vírus no Brasil, o País deu início a um processo de flexibilização do isolamento e retomada econômica. Ainda assim, gestores e profissionais da saúde recomendam que as medidas de proteção contra o coronavírus não devem ser relaxadas igualmente. Uma pesquisa do Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia (Virginia Tech), nos Estados Unidos, reuniu uma série de cuidados extras que devem ser aplicados na hora de confeccionar e escolher um dos principais equipamentos de proteção: a máscara.

O estudo destaca a importância de se procurar por materiais flexíveis, prendedores que se fixem atrás da cabeça, e pontua que três camadas devem proteger melhor que apenas duas. Sobre o material, a pesquisa destaca que não é necessário comprar máscaras de laboratório, como a N95, para ter segurança contra o vírus. Máscaras de tecido também protegem com eficiência.

De acordo com a infectologista e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Raquel Stucchi, é necessário ter atenção ao tipo de tecido utilizado na confecção do protetor.

“Elas podem ser feitas em casa e podem ser feitas de tecido. O tecido ideal é o algodão e a melhor máscara, que vai proteger mais, é aquela que tem uma camada dupla. Se for possível, dá para colocar uma camada intermediária de um outro tecido, se não for possível alguns até recomendam que se coloque, por exemplo, uma folha de filtro de papel”, indica.

A especialista explica que tecidos como crochê, tricô, renda ou outros com furinhos não servem para proteger contra o coronavírus. Segundo Raquel o tecido precisa ter uma trama mais fechada para impedir a passagem do vírus.

Renato Kfoure, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), afirma que a máscara é o meio mais eficaz de se evitar a Covid-19 porque protege quem usa e quem se aproxima.

“A máscara, ou qualquer método de barreira, protege tanto o indivíduo de transmitir a doença, quanto de adquirir a doença. Devemos salientar que indivíduos que estão naquela fase antes dos sintomas, chamados pré-sintomáticos, já podem ser transmissores. Além daqueles que são assintomáticos, que tem a doença e não têm sintomas e ainda assim podem transmitir”, ressalva.

Os especialistas recomendam que o indivíduo deve sempre andar com uma máscara reserva e trocar o equipamento de proteção individual a cada quatro horas. As máscaras também só devem ser utilizadas quando secas. A umidade pode ajudar o coronavírus a entrar no sistema imunológico.

  • manoelimportadosred
  • mginformatica1

Banner Seu Menu (NÃO APAGAR)

banner-seumenu-blitz